Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Buracos, Buraquinhos e Piercings!

Tenho de vos confessar que não sou adepta destas coisas. Mas não me chateia nada que os outros o façam. Afinal cada um faz o que quiser com o seu corpo. Claro que agora o governo também quer pôr o bedelho na liberdade individual de cada um, no que concerne a estes assuntos. Não têm mais nada para fazer, têm de justificar os altíssimos ordenados que ganham. Vou pensar se concordo ou não com esta lei.

 

Tenho de agradecer muito à minha mãezinha o facto de não me ter feitos piercings nas orelhas em bebé. Sim, porque as famosas “orelhas furadas” não são nada mais, nada menos do piercings primitivos, ou seja, à moda antiga. Detesto orelhas furadas. Sempre associei isto àquelas vacas da Índia que têm uma argola no nariz. Vai-se lá saber porquê.

Filha minha nunca irá fazer “piercings” nas orelhas enquanto for bebé. Em grande pode fazer, se quiser. Agora em pequena?! Eu caía logo para o lado! Pobres bebés.

 

Mas este assunto vem a propósito da higiene dos materiais e dos locais onde fazem. Desde sempre que é necessário ter muito cuidado mas hoje em dia ainda mais, tendo em conta as inúmeras doenças e infecções que podem surgir.

Há locais de muita higiene onde devem ser feitas estas coisas. Jamais deviam ser feitas em feiras, cabeleireiros, ourivesarias ou locais de higiene duvidosa. Nem sequer os furos nas orelhas devem ser feitos nas ourivesarias, pois são os locais tradicionais para se fazer. Segundo os médicos e especialistas no assunto dos “buraquinhos”, a pistola com que os fazem não pode ser esterilizada pois as substâncias deste processo danificam o mecanismo da pistola, inutilizando-a. Assim sendo, a higienização da pistola é ineficaz ou inexistente.

 

Deve ter-se sempre o cuidado de pedir para ver o material que vai ser utilizado. Deve vir todo esterilizado e embalado, ser aberto à nossa frente e depois deitado fora. Nunca aceitem que toquem em vocês com material que não estava embalado e fechado. Não sabemos por onde passou.

 

Bom, tenho de admitir que sou hiper-ultra-mega medrosa com agulhas e assusta-me ter algo “extra” e definitivo no meu corpo, algo de que não me possa livrar quando me apetecer e sem consequências. Mas um piercing num dente – que é uma colagem – até que não me importava! Hum… vou pensar no assunto!